Falar inglês deixou de ser um diferencial: é obrigação

Posted on Posted in Sem categoria

Há muito tempo, o inglês deixou de ser um diferencial e se tornou item obrigatório nos currículos. Conhecer outras línguas, principalmente aquelas diretamente relacionadas com a vaga de trabalho almejada, se tornou item imprescindível para ser o profissional desejado pelas grandes corporações.

 

Dominar outros idiomas, além do inglês, torna o currículo mais atrativo. Com o mundo cada vez mais interconectado, é crucial que empresas busquem se comunicar adequadamente em outros idiomas para que possam consolidar novas parcerias. Dessa maneira, a capacidade de cruzar fronteiras culturais por meio da fluência em línguas estrangeiras é uma habilidade que os empresários arrojados prezam.

 

Os profissionais que buscam uma posição de destaque dentro das empresas precisam ficar atentos ao idioma mais importante dentro da sua área de trabalho, além de ter fluência no inglês, é claro.

Algumas áreas possuem o que chamamos de idiomas nativos. Áreas de pesquisa em saúde e biologia, por exemplo, precisam do inglês para acompanhar os estudos realizados no exterior. Quem trabalha com exportação, principalmente para países do Mercosul, é importantíssima a fluência no espanhol. Já quem opta pela área da robótica precisa do alemão, pois a Alemanha é uma grande fornecedora de máquinas tecnológicas.

 

Para aperfeiçoar a compreensão do novo idioma, é necessário colocar o conhecimento da gramática em prática. A conversação é o caminho certo para garantir a fluência em outra língua. Isso porque, durante uma entrevista de emprego, normalmente o nível de conhecimento dos profissionais é testado por meio de atividades práticas como um bate-papo em outra língua.

 

Para garantir o sucesso nessas entrevistas, é necessário investir em prática constante e ter o acompanhamento de consultores capacitados. Quem escolhe fazer um curso para dominar outras línguas e crescer no mercado de trabalho precisa procurar uma escola que ofereça um plano de ensino personalizado. A instituição deve proporcionar uma carga horária que permita ao aluno praticar de modo intenso. Não dá para ficar fluente em apenas dois meses.

 

A dica é começar o quanto antes o aprendizado de outro idioma e adaptar o idioma ao seu dia-a-dia para que pratique com frequência e esteja preparado quando a oportunidade chegar.

One thought on “Falar inglês deixou de ser um diferencial: é obrigação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *